11 de dez de 2009

SEU CAVALO "PODE VOAR"

"Não temas, crê somente" (Marcos 5:36)

Um poderoso rei condenou um humilde súdito à morte. O homem, prestes a ser executado, propôs e teve a concordância do rei, permiti-lo ensinar o cavalo real a voar. Caso não conseguisse, no prazo de um ano, então sua sentença Seria cumprida. "Por que adiar o inevitável?" perguntou-lhe um amigo. "Não é inevitável," ele respondeu, "as chances são Quatro a um a meu favor. Dentro de um ano:
O rei pode perder o trono.
Eu posso Fugir.
O Cavalo pode fugir.
Eu posso ensinar o cavalo a voar.
Freqüentemente nos vemos diante de obstáculos difíceis e aparentemente impossíveis de transpor. Por mais que busquemos soluções, elas parecem não existir. o primeiro impulso nos convida a desistir, mas é preciso que jamais esqueçamos que para o nosso amado Deus todas as coisas são possíveis. Há alguns séculos atrás, costumava-se dizer que o homem jamais poderia voar. "Se Deus quisesse que o homem voasse, teria lhe dado asas." Porém, hoje, em poucas horas o homem atravessa um oceano e vai para outro continente! Assim como o súdito de nossa estória, aprendamos a olhar a situação com otimismo. Para cada possibilidade adversa, muitas favoráveis poderão ser encontradas, e, com muita fé e determinação, o que parecia impossível logo será realidade. Não esmoreça nunca.
Mesmo que tudo indique o contrário, creia: o seu cavalo pode voar!

10 de dez de 2009

EU NEGUEI A JESUS...

Estava lendo um texto que fala sobre a negação de Pedro, quando senti meu espírito inquieto e triste com o que estava lendo. Era como se alguém me dissesse: você fez isso. Fui ver o que o Aurélio diz sobre negar, e uma das acepções é a seguinte: “não se apresentar, ausentar-se...” Fiquei meio assustado ao ler isso. E triste. Muito triste.


Entendi que já neguei e, pior, tenho negado meu Senhor muito mais vezes do que pudesse imaginar. Quantas vezes fui chamado a fazer algo no Reino de Deus e “não me apresentei”? E eu tinha motivos muito justos pra não ir. Tenho muitos compromissos importantes e não posso faltar. Não tenho tempo pra isso agora. Minha agenda ta apertada. O meu tempo está realmente escasso. Fica pra outra vez... Quantas vezes deixei de comparecer aos meus encontros com Jesus (na intimidade, no lugar secreto), porque acordei meio indisposto, acordei atrasado e tinha um compromisso importante (e dói constatar que já considerei muita coisa “mais importante” do que estar um tempo com Jesus). Eu nego Jesus quando me ausento, quando não me apresento, quando tenho coisas mais importantes pra fazer, quando priorizo outras coisas antes do “Reino de Deus e sua justiça”, quando inverto a ordem e busco acrescentar todas as coisas antes da busca do Reino. Eu nego Jesus e neguei muitas vezes... É duro admitir. É duro constatar.
Mas é verdade. É fato. O meu consolo é saber que Jesus me ama apesar disso. Ele conhece os meus limites, minhas imperfeições, minha indisciplina e incapacidade pra ser coerente com o amor que tenho por Ele.
Ele sabe que eu O amo. Apesar de tudo e mesmo assim, Ele me ama. E me aceita exatamente do jeito que eu sou e me aperfeiçoa nas minhas fraquezas. Ele me amou antes da fundação do mundo, quando eu nem ainda existia e era massa informe, ele já me conhecia e amava. Antes que eu fosse sequer um projeto de vida para os meus pais, ele já tinha planos eternos pra minha vida e pra minha alma. E é muito bom saber disso. Saber que Ele já me perdoou “na cruz”. Que já levou sobre si os meus pecados (inclusive as vezes que O neguei e nego), minhas dores, minhas transgressões, minhas doenças e que o castigo que me traz a paz que excede todo entendimento estava sobre Ele. É muito bom saber que apesar de tudo e mesmo assim, Ele me compreende e não desiste de mim nem dos Seus propósitos pra minha vida. Que todas as vezes que faltei a um encontro com Ele, Ele esteve lá. Eu deixei que Ele ficasse esperando e não fui, mas Ele esteve lá. E mesmo assim, mesmo com tantas ausências minhas, com tantas faltas, com tantas decepções que lhe causo, com tanta insensatez de minha parte, Ele sempre me perdoa, me aceita, me recebe de volta, sem cobrar nada, sem reclamar de nada, sem me acusar de nada (Ele sabe que levou minha condenação sobre si), sem me humilhar por tantas vezes que o entristeço... Ele sabe que eu O amo. Ele me conhece total e profundamente. E sabe que o meu jeito de ser é imperfeito. O meu jeito de amar é imperfeito. O meu jeito é humano, portanto falho, ingrato, imperfeito... Ele é perfeito. Seu amor é perfeito. Por isso aceita o meu pequeno e imperfeito amor por Ele. Por isso entende. Amor insondável, incompreensível, ilimitado, perfeito... só o amor de Jesus. Tudo crê. Tudo suporta. Tudo espera. Não lança em rosto... Amor perfeito. Essência do Amor. O próprio Amor. Jesus. Ele sabe e aceita minhas limitações e falhas. Ele me amou muito antes. Antes da fundação do mundo. E faz muito pouco tempo que existo e vim a conhecê-lo e a amá-lo. Ele sabe disso. Aleluias! É duro. É triste. É difícil constatar e aceitar. Mas já neguei Jesus muito mais vezes do que imaginava. Já entristeci o coração dEle vezes sem conta.Mas é muito bom saber que Ele me ama. E vai continuar me amando e me ensinando, aos poucos e sempre, me aperfeiçoando nas minhas fraquezas, o jeito certo, correto e digno de amá-lo. Ele é Santo.
Ele é Digno.
Ele é Perfeito.
Ele é Deus.
Ele é Jesus.
Ele é Amor.
Ele é o Princípio.
Ele é o Fim.
Ele é a Totalidade de todas as coisas. Glória, pois a Ele eternamente, Amém!

9 de dez de 2009

O PREÇO DO AMOR

Uma tarde, um menino aproximou-se de sua mãe, que preparava o jantar, e entregou-lhe uma folha de papel com algo escrito. Depois que ela secou as mãos e tirou o avental, ela leu:
- Cortar a grama do jardim: R$3,00
- Por limpar meu quarto esta semana R$1,00
- Por ir ao supermercado em seu lugar R$2,00
- Por cuidar de meu irmãozinho enquanto você ia às compras R$2,00
- Por tirar o lixo toda semana R$1,00
- Por ter um boletim com boas notas R$5,00
- Por limpar e varrer o quintal R$2,00
- TOTAL DA DIVIDA R$16,00
A mãe olhou o menino, que aguardava cheio de expectativa. Finalmente, ela pegou um lápis e no verso da mesma nota escreveu:
- Por levar-te nove meses em meu ventre e dar-te a vida - NADA
- Por tantas noites sem dormir, curar-te e orar por ti - NADA
- Pelos problemas e pelos prantos que me causastes - NADA
- Pelo medo e pelas preocupações que me esperam - NADA
- Por comidas, roupas e brinquedos - NADA
- Por limpar-te o nariz - NADA
- CUSTO TOTAL DE MEU AMOR - NADA
Quando o menino terminou de ler o que sua mãe havia escrito tinha os olhos cheios de lágrimas. Olhou nos olhos da mãe e disse: "Eu te amo, mamãe!!!" Logo após, pegou um lápis e escreveu com uma letra enorme: "TOTALMENTE PAGO".
Assim somos nós adultos, como crianças, querendo recompensa por boas ações que fazemos. É difícil entender que a melhor recompensa é o AMOR que vem de Deus. E para nossa "sorte" é de GRAÇA! Basta querermos recebê-lo em nossas vidas!

8 de dez de 2009

ERROS passados movem moinhos?


ERROS passados movem moinhos? Que remorso......a volta ao passado envolve o potencial de, num certo lugar e instante, reparar uma determinada AÇÃO que consideramos desastrosa...
Sempre gostei de histórias de ficção científica, e já li centenas de livros do gênero, principalmente nos anos da minha juventude, quando tinha algum tempo livre. Um dos meus autores preferidos era Isaac Asimov, que publicou clássicos como “I, Robot” (Eu, Robô),1950.Os anos passaram... E várias idéias que antes eram mera fantasia, hoje são parte da nossa realidade. Mas há algo que nunca se concretizou: a criação de uma MÁQUINA do TEMPO. Além do “sonho” de visitar um futuro distante, ou regressar milhões de anos na época dos dinossauros, a volta ao passado envolve o potencial de, num certo lugar e instante, reparar uma determinada AÇÃO que consideramos desastrosa. Ora, falhas passadas lançam sobre nós dois desafios angustiantes: o primeiro, a consciência de que poderíamos ter feito melhor, ou evitado a “mancada” pela qual nos culpamos repetidas vezes. O segundo incômodo é a conseqüência prática, resultado da perda.Infelizmente, a tal máquina do tempo não está a nossa disposição. Então parece impossível corrigir o erro profissional, o investimento equivocado, a palavra dita na hora errada, ou a escolha que não deu em nada...Nesses casos, precisamos mudar nosso enfoque, entender que a vida é ÚNICA e que ninguém pode evitar todas as coincidências e caminhos cruzados que surgem diante de nós. Lamentar erros passados, e ficar presos a eles, irá tão-somente fragilizar nosso hoje e diminuir o POTENCIAL FUTURO.Porém, muitas falhas passadas produzem efeitos PASSÍVEIS de REPARO, e podem ser transformadas em algo BOM, se nos dispusermos a trabalhar sobre elas no agora.Isso é uma notícia boa. Então vamos ver o seguinte:- Temos que aprender com nossas falhas para mostrar inteligência, e aprender com os erros alheios para mostrar sabedoria, motivo pelo qual o salmista Davi afirma:Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios. (Salmos 90: 12).- Se para nós os erros e descuidos passados parecem algo impossível de mudança – e irão comprometer nossa vida com o um todo - Deus, que tudo pode, afirma que devemos esquecê-los, pois Ele tem algo melhor e completamente novo a nos oferecer daqui para a frente:Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas.Eis que faço uma coisa nova; agora está saindo à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo. (Isaias 43:18-19).Vamos recomeçar do “hoje”, deixar o que passou - pois não é mais real, são somente lembranças - e construir, com o apoio de Deus, algo novo e melhor, afinal somos mais sábios pelo que já vivemos.Texto de autoria de Pastor Elcio Lourenço. Que remorso...Sempre gostei de histórias de ficção científica, e já li centenas de livros do gênero, principalmente nos anos da minha juventude, quando tinha algum tempo livre. Um dos meus autores preferidos era Isaac Asimov, que publicou clássicos como “I, Robot” (Eu, Robô),1950.Os anos passaram... E várias idéias que antes eram mera fantasia, hoje são parte da nossa realidade. Mas há algo que nunca se concretizou: a criação de uma MÁQUINA do TEMPO. Além do “sonho” de visitar um futuro distante, ou regressar milhões de anos na época dos dinossauros, a volta ao passado envolve o potencial de, num certo lugar e instante, reparar uma determinada AÇÃO que consideramos desastrosa. Ora, falhas passadas lançam sobre nós dois desafios angustiantes: o primeiro, a consciência de que poderíamos ter feito melhor, ou evitado a “mancada” pela qual nos culpamos repetidas vezes. O segundo incômodo é a conseqüência prática, resultado da perda. Infelizmente, a tal máquina do tempo não está a nossa disposição. Então parece impossível corrigir o erro profissional, o investimento equivocado, a palavra dita na hora errada, ou a escolha que não deu em nada... Nesses casos, precisamos mudar nosso enfoque, entender que a vida é ÚNICA e que ninguém pode evitar todas as "coincidências" e caminhos cruzados que surgem diante de nós. Lamentar erros passados, e ficar presos a eles, irá tão-somente fragilizar nosso hoje e diminuir o POTENCIAL FUTURO. Porém, muitas falhas passadas produzem efeitos PASSÍVEIS de REPARO, e podem ser transformadas em algo BOM, se nos dispusermos a trabalhar sobre elas no agora. Isso é uma notícia boa. Então vamos ver o seguinte:- Temos que aprender com nossas falhas para mostrar inteligência, e aprender com os erros alheios para mostrar sabedoria, motivo pelo qual o salmista Davi afirma: Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios. (Salmos 90: 12).- Se para nós os erros e descuidos passados parecem algo impossível de mudança – e irão comprometer nossa vida com o um todo - Deus, que tudo pode, afirma que devemos esquecê-los, pois Ele tem algo melhor e completamente novo a nos oferecer daqui para a frente:Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço uma coisa nova; agora está saindo à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo. (Isaias 43:18-19).Vamos recomeçar do “hoje”, deixar o que passou - pois não é mais real, são somente lembranças - e construir, com o apoio de Deus, algo novo e melhor, afinal somos mais sábios pelo que já vivemos.


Texto de autoria de Pastor Elcio Lourenço.

7 de out de 2009

A AGUIA


A águia é uma ave que chega viver até 70 anos. Mas, Para chegar a essa idade, ela tem de tomar uma séria e difícil decisão por volta dos 40 anos. Nessa idade, ela está com as unhas compridas e flexíveis, não conseguindo mais caçar suas presas para se alimentar: seu bico alongado e pontiagudo já está curvo; suas asas estão apertando contra o peito, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas: e voar já está se tornando uma tarefa difícil! Então, a águia só tem duas alternativas: morrer...ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e recolher-se em um ninho próximo a um paredão, onde ela não necessite voar.

Após encontar esse lugar, a águia começa a bater com o bico contra a rocha até conseguir arrancá-lo. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E somente depois de cinco meses ela sai para seu famoso vôo de renovação. E poderá viver, então, por mais uns trinta anos.

Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um vôo de vitória, devemos nos despreender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causam dor. Somente quando nos livramos do peso do passado é que podemos aproveitar o resultado valioso que uma auto-renovação sempre traz.

15 de set de 2009

LENÇOL SUJO


Um casal , recém casados, mudou-se para um bairro muito tranquilo.
Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou através da janela em uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:
- Que lençóis sujos ela está pendurando no varal! Provavelmente está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!
O marido observou calado. Alguns dias depois, novamente, durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis no varal e a mulher comentou com o marido:
- Nossa vizinha continua pendurando os lençóis sujos! Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas! E assim, a cada dois ou três dias, a mulher repetia seu discurso, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal. Passado um mês a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis brancos, alvissimamente brancos, sendo estendidos, e empolgada foi dizer ao marido: - Veja ! Ela aprendeu a lavar as roupas, será que a outra vizinha ensinou !? Porque , não fui eu que a ensinei. O marido calmamente respondeu: - Não, é que hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros da nossa janela! E assim é. Tudo depende da janela através da qual observamos os fatos. Antes de criticar, verifique se você fez alguma coisa para contribuir; verifique seus próprios defeitos e limitações. Devemos olhar, antes de tudo, para nossa própria casa, para dentro de nós mesmos. Só assim poderemos ter real noção do real valor de nossos amigos. Lave sua vidraça. Abra sua janela.
"Tire primeiro a trave do seu olho, e então verás claramente para tirar o cisco do olho do teu irmão" (Mateus 7:5)
Deus te abençoe !

31 de ago de 2009

O CORAÇÃO ADORADOR

Um cara chamado Marcello Cunha escreveu um e-mail extremamente belo falando sobre adoração para o Caio Fábio.
Pastor amado,
Lido com música na igreja, e seus ensinamentos tem meenriquecido muito!
Tenho aprendido a cultivar um coração-terra-fértil para uma adoração sincera e pura.
Tenho aprendido que:
Adoração é tributar a Deus aquilo que temos de melhor. Seja o melhor dos lábios, sejam ofertas financeiras, seja um choro grato e leal, seja um brado de júbilo, sejam músicas, palmas, danças e instrumentos musicais, ou quem sabe uma meditação íntima, quando ninguém vê ou ouve nada, mas você está ali, adorando a Deus por saber que Cristo morreu para te purificar dos teus pecados passados e futuros!
Esse melhor não é um padrão fixo. O teu melhor não é igual ao melhor do teu próximo. A adoração genuína trabalha com aquilo que tem na mão. E saiba de uma coisa: ainda que seja muito pouco, Deus é poderoso pra te alimentar com aquele pouquinho. Basta crer! Basta entregar! Basta ser grato!
Sendo assim, aquilo que você tem pode ser até do tamanho de uma semente de mostarda! Ofereça a Deus.
Adoração nunca tenta comprar a Deus!
Adoração é uma profunda dependência da força do Senhor. Por mais que você tenha pra ofertar, ou por maior que seja a qualidade que você oferta, isso jamais será uma moeda de troca, ou um modo de constranger a Deus. O amor verdadeiro não procura o seu interesse. E adoração é a entrega de um coração que ama a Deus acima de todas as coisas.
Às vezes nós passamos fases na vida em que não temos quase nada pra ofertar. Essa é a verdade. Como o profeta Habacuque disse: "a figueira não floresce, não há fruto na vide, a oliveira mente, os campos não produzem mantimento, as ovelhas foram roubadas, e não há gado nos currais. Todavia, eu me alegro no Senhor, exulto no Deus da minha salvação".
Estava meditando... sabe porque nos momentos mais difíceis parece que nosso coração mais se enche da glória de Deus? Porque como não nos sobra nada, a única coisa que temos pra ofertar é o próprio Deus! Agora, imagine Deus sendo multiplicado sobre nós??!!! Nossos "cinco pães e dois peixinhos" se chamam: O Senhor. É a única coisa que temos pra oferecer. Não temos muitas posses, muito dinheiro, nem muito motivo e força pra rir e pular...Mas ofertamos a única coisa que ninguém pode nos roubar: O Espírito Santo, que é o próprio Deus! E essa única coisa que temos é oferecida a Deus, como na multiplicação dos pães e peixes, e há uma multiplicação de Deus sobre nós! Que maravilha!
Mas por não conhecer o amor de Deus, e por não ter uma fé que chegue ao menos no tamanho de um grão de mostarda (a menor semente do mundo), muitas pessoas desconhecem esse caminho da verdadeira adoração. Essas pessoas, geralmente são infantis, mimadas e se desesperam diante do Senhor, quase ordenando que Ele as abençoe para que em fim, possam adorá-lo. Essa adoração é a adoração de Tomé, o discípulo duvidoso. Jesus disse a Tomé: "Bem-aventurados os que não viram e creram!".
Adoração e Fé devem sempre andar juntas. No dia que você não tiver muitas "razões" para adorar, adore em fé!! No dia que você tiver muitas "razões" para adorar, adore em fé, da mesma maneira. Nunca adore por aquilo que você pode ter, ver, ouvir ou sentir! Guarde o teu tesouro no lugar onde "a traça não corrói, e o ladrão não rouba".
Alguém pode perguntar: Que coração é este, hein? É o coração de um super-herói?É o coração de alguém que só vê flores, borboletas, beija-flores e noites estreladas a todo tempo? Será que isso não é para pessoas com um dom especial? Será que isso não é para poetas, artistas, filósofos e pessoas muito sensíveis?
Guardo bem isso: O coração do adorador é coração de gente, não de semi-anjo.
Quando você sentir-se fraco, feio, desanimado, frágil, dependente, triste, depressivo, espantado, temeroso, alegre, apaixonado, corajoso, forte, vivo, viçoso, rico, lindo, etc... dê graças por uma razão: voce é gente! E Deus escolheu essa coisa louca, pra que o seu Poder e Graça sejam manifestados e exaltados!
Adoração é uma vida abundante que convive com coisas passageiras, mais que não deixa que a esperança em Cristo se limite a essas coisas.
Essa vida de adoração diz ao Senhor: " Para onde me ausentarei do teu Espírito? Se subo aos céus, lá estás, se faço minha cama no abismo, lá estás também. Se eu digo: as trevas me encobrirão, até as trevas não te serão escuras: as trevas e a luz são a mesma coisa.Assim vai o coração do adorador.

Vai, conforme é.

Marcello Cunha.

29 de ago de 2009

"ADESTRAMENTO CRISTÃO"


"Crente é um bicho estranho. Você grita “AMÉM?” e ele responde gritando o mesmo. Se perguntar pela segunda vez, ele responderá mais alto. Se no meio do louvor você gritar “pule na presença do Senhorrrrrrrr”, então eles pulam. Se você dançar de modo estranho, verá correspondência imediata nas pessoas. Sua linguagem é facilmente influenciável por jargões. Basta pegar qualquer expressão bíblica cujo significado seja obscuro para a maioria, e pronto! Facilmente também estereotipamos outras coisas que fazem do crente um ser quase alienígena: os lugares que frequenta, o conteúdo de suas conversas e a aversão às coisas “do mundo”.Pena que os crentes não são condicionados a obedecer a todo tipo de “comando”. Parece que o adestramento a que foram submetidos possui limitações. Nem todos aceitam sugestionamentos que os levem a renunciar a seus interesses; ou dividirem suas posses com os necessitados; ou mesmo disponibilizar tempo para aqueles que estão abandonados em asilos, orfanatos e nas ruas.Ah… antes que eu me esqueça, quero deixar claro que amo os crentes. E exatamente por ser um deles é que me incomodo tanto com estas coisas incompreensíveis que aceitamos passivamente em nossa conduta.
Posso ouvir (ler) um “Amém” nos comentários?! rs"
http://http://www.youtube.com/watch?v=lz2ap3PI90Y

E O HOMEM DISSE A DANIEL...



Daniel 10.12
“Não tenha medo, Daniel. Desde o primeiro dia em que você decidiu buscar o entendimento e humilhar-se diante do seu Deus, suas palavras foram ouvidas, e eu vim em resposta a elas”
Este versículo ilustra bem como um homem que propõe em seu coração servir ao Senhor com toda sua vontade e sinceridade não fica sem orientação e auxilio no que deve fazer.A vontade de Daniel era agradar a Deus e assim ia vencendo as barreiras que apareciam em seu caminho.Amava o seu povo e o seu Deus, sua fé era sua regra de vida, desta forma cumpria honestamente com o seu dever sendo um bom político (raro heim). Este jeito de ser despertou muito ciúmes, inveja entre os políticos e religiosos que o cercavam, armaram uma cilada e assim Daniel preferiu encarar a cova dos leões a perder sua fidelidade com seu Deus.Além de receber o livramento da cova dos leões, foi recompensado com uma série de visões e revelações sobre o futuro, o sofrimento de Israel, a redenção através de Cristo, sobre a ressurreição dos mortos e do fim da atual dispensação.Um belo exemplo para não deixarmos o medo tomar conta de nossos corações, se nossa decisão em viver com Cristo já foi tomada, devemos insistir em buscar o entendimento na Palavra e humilhar-nos diante Dele.
Com certeza, nossas palavras serão ouvidas, e a resposta virá...
O Deus de Daniel é o nosso Deus!
Amém!
(transcrito)

12 de ago de 2009

PREPARAÇÃO PARA O CULTO


“Tendo Jesus entrado no templo, expulsou a todos os que ali vendiam e compravam; também derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada Casa de Oração; vós, porém, a transformais em covil de salteadores.”

Mateus 21:12,13

Neste texto vemos Jesus agindo de uma forma singular. Em todos os evangelhos vemos a figura do Cristo misericordioso, amoroso, compassivo, e aqui temos uma atitude tão drástica e enérgica que até parece destoar do resto de seus atos. Não que tenha sido errada ou exagerada, foi precisa e perfeita, como perfeito sempre foi nosso Senhor. Mas bater com um chicote, virar as mesas com mercadorias e dinheiro, espalhar animais, e fazer tudo com tamanha autoridade à qual ninguém se opôs, mostra o valor que tem diante de Deus o princípio que os judeus estavam violando. E isto deve chamar nossa atenção. Jesus deparou-se com muitos erros e pecados nos dias de seu ministério terreno, mas este parece ter sido um dos mais duramente repreendido. Portanto, há uma séria e importante lição a ser aprendida neste relato. Há um erro grave a ser evitado, e convido-o a refletir comigo nos princípios bíblicos por trás desta porção das Escrituras. Durante muito tempo achei que o problema aqui era o comércio em si, mas quando examinamos o texto em seus detalhes, a acusação de Jesus contra aqueles homens parece ter dois enfoques principais:

1. Uma distorção do propósito divino para sua casa – ser um ambiente de relacionamento genuíno com Deus (casa de oração).

2. O roubo de alguma coisa – uma vez que Jesus os chamou de ladrões.

Pense nesta frase de Jesus: “vós a transformastes num covil de LADRÕES”. O que esta em questão aqui não é necessariamente o ato de comercializar em si, mas o que ele significava.

O Senhor não estava repreendendo a ganância, nem tampouco os chamou de mercenários. A acusação não era contra ganhar dinheiro. Aqueles comerciantes tinham o respaldo das autoridades do templo e não estavam violando nenhuma das rígidas leis judaicas ou mesmo as romanas.

Portanto, é certo reconhecer que o roubo de que Cristo falava não era algo no reino natural, mas sim no espiritual. Tenho certeza que o roubo não era o “preço” pelo qual se vendia, pois se de um lado da barraquinha havia um bom comerciante judeu para vender, do outro lado o comprador também não era diferente, e isto sem falar na concorrência!

O quê, então, aqueles homens poderiam estar roubando? Precisamos de uma volta ao Velho Testamento e à compreensão dos princípios da lei mosaica a fim de entender o que estava acontecendo. A Bíblia faz menção de animais sendo comercializados no templo, e esta era a principal mercadoria ali.

Mas o que estes animais faziam lá no templo? Qual a razão de estarem sendo mercadejados? Porque o comércio feito ali era principalmente o de animais?

É importante lembrar que o culto do período em que vigorou a Lei de Moisés era baseado nos sacrifícios de animais que se faziam no templo. Esta era a principal ocupação dos sacerdotes, como podemos perceber nos livros de Êxodo e Levítico.

Basicamente, o animal mais sacrificado era um cordeiro, embora havia situações em que pudesse ser um bode ou até mesmo um novilho; outros sacrifícios exigiam a presença de aves, e estas eram também aceitas quando o ofertante não tinha posses suficientes para ofertar gado.

A ESCOLHA E PREPARAÇÃO DO ANIMAL

Deus esperava que os homens oferecessem a Ele o melhor animal. A palavra sacrifício aponta não só o derramamento de sangue do animal, como também o ato de abrir mão do melhor entre todo o rebanho. Houve períodos na história de Israel em que eles perderam este enfoque e o Senhor os repreendeu:

“O filho honra o pai, e o servo ao seu senhor. Se eu sou pai, onde está a minha honra? E se eu sou senhor, onde está o respeito para comigo? Diz o Senhor dos Exércitos a vós outros, ó sacerdotes, que desprezais meu nome. Vós dizeis: Em que desprezamos o teu nome?

Ofereceis sobre o meu altar pão imundo, e ainda perguntais: Em que te havemos profanado? Nisto que pensais: A mesa do Senhor é desprezível.

Quando trazeis animal cego para o sacrificardes, não é isso mal? E quando trazeis o coxo ou o enfermo, não é isso mal? Ora, apresenta-o ao teu governador; caso terá ele agrado em ti, e te será favorável? Diz o Senhor dos Exércitos.”

Malaquias 1:6-8

Deveria haver todo um cuidado na escolha e preparo do animal antes de levá-lo para ser sacrificado. Quando os israelitas começavam a fazer de qualquer jeito, Deus protestava!

O animal oferecido, em termos práticos e racionais, era perdido. Deus não o usava para nada e quem o ofereceu ficava sem. Muitos, nunca chegaram a entender que o propósito do sacrifício era justamente cultivar no coração o valor de Deus, como estando acima de todas as outras coisas, mesmo as mais importantes. A entrega do animal em si, não tinha valor algum, mas o que ela significava para a pessoa. Não estamos hoje habituados com a criação de ovelhas, mas os donos se apegavam aos animais. Jesus disse que as ovelhas conhecem a voz do pastor e o seguem, e que este, por sua vez, as chama pelo nome (Jo.10:3). Quando o profeta Natã foi repreender Davi de seu pecado, usou uma parábola palavra ilustrar o que Davi fizera, e descreveu nesta alegoria como alguém chegava a se apegar a uma ovelha que criava, como sendo um verdadeiro animal de estimação (II Sm.12:3). A beleza do sacrifício estava no valor que o animal oferecido tinha. Lembra-se do caso de Abraão, a quem Deus pediu seu filho Isaque em sacrifício? Deus não queria nem precisava de Isaque sacrificado, Ele só buscava a atitude correta no coração de Abraão, queria estar em primeiro lugar. Isto agrada o coração do nosso Pai Celeste! E o que estava acontecendo no templo, nos dias de Jesus era exatamente o oposto. Ninguém mais se preparava para o sacrifício. Simplesmente deixavam para a última hora, quando chegassem no templo e compravam um animal qualquer. O culto perdeu seu significado, pois se tornou mecânico ao perder a sua essência: a preparação. A ÚNICA EXCEÇÃO

A única exceção que vemos na Bíblia quanto a levar o animal preparado era a seguinte: Quando alguém que fosse subir a Jerusalém sacrificar ao Senhor e morasse muito longe, para não fazer toda a viagem com o animal, poderia vendê-lo e subir com o dinheiro. Com esta orientação, o Senhor queria facilitar o trânsito do adorador apenas. Facilitar a viagem e nada mais. Ele deveria criar suas ovelhas, reconhecendo que a melhor do rebanho não seria dele e sim do Senhor. Então quando chegava o dia de subir o templo, ele se desfazia dela do mesmo jeito! Mas os judeus distorceram este princípio. Em nome da facilidade, instituíram um sistema onde ninguém mais precisava gastar tempo na preparação do sacrifício, bastava comprá-lo de última hora. Por isto Jesus os chamou de ladrões. A única coisa que eles estavam roubando era A PREPARAÇÃO PARA O CULTO. O momento do sacrifício não era o culto em si, somente o clímax de algo que já havia sido iniciado no coração do ofertante há muito tempo.

Talvez devêssemos nos perguntar porque Jesus ficaria tão incomodado com um estilo de culto que estava prestes a mudar. Em poucos dias Jesus seria crucificado, a Nova Aliança estabelecida, e o culto a Deus não mais se expressaria por meio do sacrifício de animais... Mas a verdade é que o Senhor Jesus não estava preocupado com a manifestação externa do culto, mas como aquilo refletia um coração indiferente. E mesmo mudando o estilo da adoração, ele sabia que nós continuaríamos errando e tropeçando nas mesmas coisas. Então não perdeu sua chance de corrigir um pecado de sua época, e também de nos deixar um ensino importantíssimo: o valor do que oferecemos ao Senhor em nosso culto está intimamente ligado a nossa preparação para o culto. Fico profundamente triste em ver como as pessoas vão para os cultos em nossas igrejas. Sem contar o fato que muitos chegam atrasados (o que reflete o valor do culto ou sua preparação), e não estou falando de cinco ou dez minutos apenas! O momento em que nos reunimos para cantar e orar ao Senhor, não é toda a expressão do culto, mas o clímax de toda uma preparação que já começou antes de sairmos de casa. Mas muitos crentes passam a tarde toda de um domingo (e não estou santificando o domingo em relação aos outros dias, mas reconhecendo-o como o dia convencional de culto em que a maioria das pessoas não trabalha e poderia cumprir o que estou dizendo) na frente da televisão, se empanturrando com tudo o que vem da bandeja dos apresentadores de programas de auditório. Outros estão ligados no esporte, mas não quero discutir a programação. O fato é que muitos passam a tarde toda na frente da TV e depois quando chega a hora de ir para o culto – e às vezes depois dela – saem correndo para a igreja sem sequer ter cultivado um tempo diante do Senhor. Estão com seu espírito totalmente desligado e insensível para a presença de Deus. E depois se perguntam porque não experimentam nada de diferente! Deixe-me dizer-lhe que a presença de Deus não é como uma torneira que você abre e fecha a hora que quiser. A presença do Senhor não é como um interruptor que você liga e desliga a hora que bem entende com resultados instantâneos. Não! Para provar a presença do Senhor sua carne tem que morrer primeiro, seu espírito precisa estar desperto, sensível. E sabe o que eu acho mais engraçado? A quantia que ouço de muitos irmãos (de minha própria igreja e de outras) que quando o período de louvor e adoração “está ficando bom” nós – os líderes – costumamos encerrá-lo! Mas a verdade é que para alguém que se prepara antes do culto, que tira um tempo para orar, meditar na Palavra, se concentrar no propósito do culto, buscar a presença e intimidade do Senhor, a adoração está boa a partir da primeira frase cantada. A primeira oração já é poderosa! Precisamos entender que o culto não fica melhor com seu andamento, nós é que nos despertamos para a presença do Senhor que estava lá o tempo todo nos esperando. Muita gente não cultiva em seu coração expectativa alguma para o mover de Deus, e acaba não provando nada nos cultos.

A expectativa é algo que determina resultados. Quando Jesus foi para Nazaré, sua cidade, as pessoas olhavam para ele sem expectativa. Diziam: não é este o carpinteiro, filho de José e Maria? Em outras palavras, estavam dizendo que viriam ele crescer que o conheciam, e não esperaram muita coisa dele, o que fez o próprio Jesus afirmar que um profeta não tem honra em sua pátria (Mc.6:1-6). O relato bíblico diz que Jesus NÃO PÔDE fazer muitos milagres ali, a não ser curar uns poucos enfermos. Isto me faz questionar porque Deus não tem podido fazer muitos milagres em nossos cultos, a não ser curar uns poucos enfermos... a resposta é óbvia: vamos para nossas reuniões sem esperar que aconteça. Não choramos e gememos diante do Senhor em intercessão, não exercitamos nossa fé, não o buscamos antes da reunião! Mas se fizermos isto, se aprendermos a nos preparar para o culto, tudo será diferente. Já evoluímos bastante na nossa qualidade musical, mas retrocedemos na preparação. Os crentes antigos se preparavam melhor que nós antes do culto. Tenho saudade de quando era criança e chegava a uma igreja e muitos estavam de joelhos clamando pela reunião. Hoje em dia, na hora de começar a reunião você quase tem que tocar um sino para que a conversa pare. Não estamos nos preparando para o culto. E achamos que basta cantar um pouquinho para que nosso Deus se agrade. Mas estamos errando! E a severidade com a qual Jesus nos trataria hoje não seria menor do que a que ele usou ao virar as mesas dos vendedores no templo. Certamente se Jesus estivesse fisicamente aqui hoje e quisesse “arrumar” as coisas em sua igreja, nos consideraria tão merecedores de um chicote quanto aqueles cambistas judeus de seus dias terrenos. Precisamos corrigir isto em nossas vidas se queremos mais da presença do Senhor.

Se queremos de fato agradá-Lo, precisamos entender que o culto não começa na oração de abertura, mas em nossa casa, bem antes da reunião. Em minha casa, temos o hábito de não assistir televisão aos domingos. Não porque isto roube nossa “santidade”, mas porque nos distrai, rouba a sintonia espiritual que deveríamos ter. Muitas vezes gasto parte da minha tarde de domingo dormindo, e não só com leitura bíblica e oração. Mas quando vou para o culto, estou descansado e disposto, e isto faz diferença! Nas vezes em que me distraí, mesmo já conhecendo este princípio, o culto não teve o mesmo resultado que quando me preparei. Meu irmão (ã), quero desafiá-lo em nome de Jesus Cristo a considerar e corrigir este princípio em sua vida. Virão dias em que provaremos um grande derramar de Deus em nossos cultos. Estão chegando dias em que veremos o Espírito Santo se mover de forma muito poderosa nas reuniões, mas tem que haver preparação. Tenho pensado muito ultimamente na frase de Josué: “Santificai-vos, porque amanhã o Senhor fará maravilhas no meio de vós” (Js.3:5). Não há melhor forma de ver Deus fazendo grandes coisas em nosso meio do que preparar-se para isto! Não sei o que tem sido seu ladrão da preparação do culto. Talvez fosse só o fato de ignorar este princípio. Talvez seja o jogo de futebol, seu mesmo ou de seu time. Talvez sejam os programas de auditório. Sei que entre os ladrões da preparação do culto a TV ganha disparado. Talvez seja outra coisa, mas você pode e deve mudar isto. Alguns podem achar que estou espiritualizando demais, mas quando contextualizamos o que houve naquele dia lá no templo, não podemos chegar a outra conclusão. Experimente gastar tempo preparando-se para o culto e comprove você mesmo a diferença que isto faz. Mas não quero que conclua só na base do que foi bom para você. Além de ser bom para você, certamente o será para o nosso Pai Celeste que anseia pela comunhão conosco!

Deus abençoe
Luciano Subirá

31 de jul de 2009

SOBRE AS ÁGUAS...

Ministério TRAZENDO A ARCA
° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° °
Se o sol se por
E a noite chegar
Tu és quem me guia
Se a tempestade me alcançar
Tu és meu abrigo
Se o mar me submergir
A tua mão
Me traz a tona pra respirar
E me faz andar
Sobre as águas
Tu és o Deus da minha salvação
És o meu dono minha paixão
Minha canção e o meu louvor
° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° ° ° ° ♥ ° °

ORGULHO É IGUAL A QUEDA


O primeiro pecado mencionado na Bíblia é o orgulho. Satanás queria ser como Deus, queria destroná-lo. Assim nasceu a primeira contenda no céu. Um terço dos anjos foram seduzidos. Acreditaram nas promessas do suposto futuro “senhor” de tudo. Se encheram de orgulho influenciados por Satanás. A propósito, aqueles que pensam que o sentimento de orgulho não traz contenda e desordem, estão completamente errados. O orgulho causa confusão, contenda, mágoa, brigas, discussões, divisões, etc. Além disso, o cristão quando é orgulhoso envergonha o nome de Cristo, pois isto contraria tudo o que o Mestre ensinou e viveu.
Dentro do Ministério Musical o pecado do orgulho pode ser facilmente detectado.
» Quando não aceitamos exortação de nossos pastores, líderes e até mesmo de nossos companheiros de ministério
» Quando sempre achamos que estamos certos
» Quando não damos ouvido às outras pessoas
» Quando achamos que somos melhores do que alguém
» Quando achamos que somos dignos de receber alguma glória e louvor
» Quando achamos que a obra que executamos está tendo sucesso pela nossa capacidade
» Quando achamos que o nosso estilo musical é o mais correto perante Deus
» Quando humilhamos, subestimamos ou não valorizamos aqueles que estão iniciando no ministério
» Quando fazemos tudo isto, estamos sendo orgulhosos.
Talvez esta seja a razão da escassez de verdadeiros adoradores dentro do povo chamado cristão. Esta triste armadilha têm cegado a muitos, tornando-os joio, ao invés de trigo. Aqueles que desejam trilhar a árdua jornada da verdadeira adoração deverão riscar de sua vida tudo aquilo que foi dito anteriormente. O verdadeiro adorador não deixa ser tomado pelo orgulho, mas permanece humilde pelo temor que tem de Deus. O verdadeiro adorador sabe que Deus não reparte sua glória com ninguém! Jesus, além de ser o nosso Salvador, foi o maior Mestre que pisou na face da terra. Suas maiores lições sempre tinham a ver com humildade. Ele sabia que a falta de humildade causava destruição, ruínas, separação, tristeza, e o pior de tudo, entristecia a Deus. Foram de Jesus as palavras:
Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus. (Mateus 5.5)Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. (Mateus 5.11)Portanto, quem se tornar humilde como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. (Mateus5.18)
Jesus não só ensinou sobre a humildade, mas sua vida refletia isto em cada atitude. Dia a dia ele mostrava que o orgulho não fazia parte do seu caráter. Não foi o Rei Jesus quem lavou os pés dos discípulos na noite da Ceia? É importante ressaltar que nenhum dos 12 homens merecia isto. Outra prova de humildade foi a sua terrível morte na cruz. Na época de Jesus, a morte de cruz era um dos piores e mais humilhantes tipos de morte existente. Na polida sociedade romana até a sua menção era proibida. Você consegue imaginar o rei da glória, o filho de Deus se submetendo aos soldados romanos, apanhando, levando chutes, socos, chicotadas e tendo sua cabeça furada por uma coroa de espinhos? É difícil compreendermos isto, mas entendemos que foi uma das grandes, senão a maior prova de humildade de Jesus.
DEVEMOS fazer o possível para viver uma vida de humildade, refletindo este ensinamento de Cristo em cada atitude, palavra e até pensamento. Lembre-se sempre: sem humildade, não há verdadeira adoração. Por isso, dedique um bom tempo de sua oração pedindo a Deus um caráter livre do orgulho, derrame-se aos pés do Pai e peça para Ele te curar de qualquer tipo de soberba e espere os desafios que aparecerão a você, porque, certamente o seu coração será posto à prova em muitas ocasiões.

25 de jul de 2009

O FRUTO DA NOSSA BOCA

"Tanto em Mateus 12 quanto em Lucas 6, Jesus vinculou o fruto mais natural do homem ao que ele fale e confesse com a boca como resultado de seus pensamentos e idéias.
A boca fala do que está cheio o coração! Pela boca brotam as sementes que evidenciam a natureza dos pensamentos e emoções do homem. Assim, a língua, a boca e o coração fazem um alinhamento que não se pode evitar. Por isto é que na realidade da existência, longe dos palcos das aparências, mais cedo ou mais tarde a boca haverá de manifestar o que se tem de fato no coração-mente. Dessa forma pensamentos maus e maliciosos são as primeiras evidencias de quem nós somos ou estamos nos tornando... De igual modo pensamentos bons e generosos em misericórdia são os primeiros frutos de um homem bom ou que esteja se tornando bom em Deus e para Deus. Sim, nunca teremos uma vida diferente do que nosso pensamento produza.
Pensamentos nunca são segredos... Eles se confessam a si mesmos pelos frutos de nossa vida...
Será apenas uma questão de tempo e os pensamentos formatarão o homem conforme o que ele pense e confesse para si mesmo! As farturas do coração, os seus tesouros, bons ou maus, aparecerão sempre, e darão os seus frutos...; e tudo começará em nossos processos mentais, em nossos pensamentos, os quais se tornarão tão mais fortes do que qualquer outra inibição, ao ponto que, com o tempo, evidenciarão quem somos ou nos tornamos...
Por isto não brinque de pensar o mal... Afinal, quem pensa o mal se torna moldado por ele... Cuide para que sua mente não se torne uma semeadora de espinhos e toda sorte de produção amarga e venenosa, pois, uma vez que assim seja você será a própria realidade que você pensa sobre a existência e sobre o seu próximo.
Afinal, nenhum de nós é feito de carne, mas de pensamentos...
Sim, somos o fruto dos nossos próprios pensamentos... "

Pense nisso!

19 de jul de 2009

O código da honra foi decodificado.

SEMINÁRIO DE HONRA

Cada líder precisa decifrar o código de acesso a honra, que abre portas para o êxito. “A honra tem um código e todos nós somos e temos códigos".

A Bíblia diz que o homem tem um coração e este coração está cheio de códigos, chaves e mistérios. A honra abre portas para o êxito, a desonra abre as portas para o fracasso”.Toda honra passa pelo coração do homem, pois o coração é a sede das emoções, do intelecto, das vontades e decisões humanas. “E isso ainda vai além, pois creio que o coração é lugar de guardar tesouros espirituais. Há pessoas que mentem dias, semanas, meses, anos, décadas e, outras, mentem por muito mais tempo, até que um dia achamos o código e a área impenetrável". São pessoas codificadas com muros; estão fechadas. Outras se autobloqueam. Código escondido. "Um dia descobrimos quem são as pessoas”. Muitas vezes queremos provar o que não somos. Deus tem maneiras diferentes de tratar com cada um. Efésios 1:13 - Imprimir o código! Honrado para... Código chamado PENHOR de salvação. Precisamos ser facilitadores das mudanças de Deus na nossa vida! Entrar no código da alma. Deus vai abrir os olhos e dar palavras proféticas. O reino de Deus se muda com palavras ungidas! Temos a 1ª HONRA dentro de nós. O novo nascimento nasce com a honra. Fomos selados.
Existe a diferença entre os líderes gastadores e os investidores da herança divina, com o tema ‘Gastadores da Unção’. Com base no texto bíblico de Lucas 15: 11- 32, que relata a parábola do filho pródigo, parte da unção que o pai deu ao referido filho era verdadeira, porém este filho se rebelou e com isso abriu portas de ilegalidades, que mancharam a sua honra perante a sociedade e a família. “Toda pessoa que desrespeita a honra de seu pai e do líder, cai na prostituição espiritual. É por isso que precisamos ser investidores da unção para que se estabeleça um novo mover sobre todos nós”. Todos os gastadores de herança farão o caminho de volta, uma vez que Deus devolverá a honra, o crédito e as vestes de filho que reina na casa do Pai.
O Espirito da promessa está sobre nós. Somos honrados pelo espírito da Promessa.
Deus diz: "Eu quero prosperar você e toda a sua família". "Não é justo o discípulo prosperar e o líder não ser honrado". A chave para abrir a porta da alma, o código da Honra é a FIDELIDADE.

Deus disse: "Aquele que me honrar, eu honrarei!!"
Apóstolo Renê Terra Nova
Seminário o código da honra

17 de jul de 2009

AVIVAMENTO

A igreja não é agente de avivamento. A igreja não agenda e nem programa avivamentos. A igreja só pode buscar o avivamento e preparar o caminho da sua chegada. A soberania de Deus, no entanto, não anula a responsabilidade humana. O avivamento jamais virá se a igreja não preparar o caminho. O avivamento jamais acontecerá se a igreja não se humilhar. Sem oração da igreja, o fogo de Deus não descerá. Sem busca não há encontro. Sem obediência a Deus, jamais haverá derramamento do Espírito.O avivamento precisa estar embasado nas Escrituras e não por sonhos e visões. Avivamento não é mudança litúrgica apenas. Muitos crentes confundem avivamento com forma de culto, com liturgia animada, com coreografia e instrumental. Louvor não é encenação. Não é ritualismo. Não é emocionalismo. Não é apenas seguir formas pré-estabelecidas, como bater palmas, dizer aleluia, amém e levantar as mãos. Louvor que apenas levanta as mãos para o alto, mas não as estende para o necessitado não agrada a Deus. A Bíblia ordena levantar mãos santas ao Senhor, num gesto de rendição e entrega. Louvor em que à pessoa apenas pula, mas não vive em santidade, é ofensa a Deus. Louvor que apenas diz coisas bonitas para Deus, mas não leva Deus a sério na vida é fogo estranho diante do Senhor. Louvor que não produz mudança de vida, quebrantamento, obediência e não leva as pessoas a confiarem em Deus, não é louvor, é barulho aos ouvidos de Deus. Assim diz o Senhor: "Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei as melodias das tuas liras" (Am 5.23). À luz destas coisas, é preciso dizer que avivamento não é mudança litúrgica, é mudança de vida. Avivamento não é histeria carnal, é choro pelo pecado. Deus não procura adoração. Ele procura adorador.É preciso dizer que, embora o avivamento não seja mudança de liturgia, todo avivamento mexe com a liturgia. O avivamento acaba com a liturgia ritualista, cerimonialista, formalista, fria e morta e põe em seu lugar uma liturgia viva, alegre, ungida, onde há liberdade do Espírito, sem abandonar a ordem e a decência. Em épocas de avivamento, a liturgia é dinâmica e o povo com alegria e liberdade do Espírito adora a Deus, em espírito e em verdade, sem regras rígidas pré-estabelecidas. Cada culto é um acontecimento singular, novo, onde há abertura para o que Deus deseja fazer com o seu povo. Embora o avivamento não seja mudança litúrgica, todo avivamento muda a liturgia, tornando-a bíblica, alegre, ungida, dirigida pelo Espírito de Deus. Entretanto, esta não é a ênfase do avivamento. A corrida não deve ser atrás de sinais e sim atrás de santidade. Há mais empolgação com milagres do que com vida cheia do Espírito. Avivamento não é um calor carismático. Uma igreja pode ter todos os dons sem ser uma igreja avivada. Avivamento não é conhecido pelos dons do Espírito, mas pelo fruto do Espírito. A igreja de Corinto possuía todos os dons, no entanto, era uma igreja sem maturidade espiritual. Naquela igreja profundamente carismática, havia divisões, cismas, brigas, partidos, contendas, imoralidade e irmãos levando outros irmãos aos tribunais. Havia falta de compreensão acerca da liberdade cristã. Naquela igreja a ceia do Senhor estava sendo uma bagunça, os dons estavam sendo usados erradamente, ou seja, não tinha fruto. É verdade que, em épocas de avivamento, os dons são buscados e exercidos para a glória de Deus e a edificação da igreja, mas a ênfase carismática não é sinal de avivamento. Estritamente falando, avivamento é algo que acontece unicamente no meio do povo de Deus. O Espírito Santo renova, reaviva e desperta a igreja sonolenta. É revitalização onde já existe vida. Ou, é “o retorno de algo a seu verdadeiro propósito”. O sentido amplo de avivamento. Como a própria expressão define, neste sentido não apenas a igreja, mas a sociedade não-cristã também é beneficiada pelo avivamento. Isto acontece porque, além da atuação soberana do Espírito Santo no mundo, na igreja passa a existir uma conscientização profunda de sua missão; isto é, a missão integral de servir o mundo evangelística e socialmente. No avivamento a igreja vive a missão para a qual foi chamada.

Eu creio que este é o tempo que Deus está movendo como um "fogo abrasador" que nos purifica e nos santifica para uma vida cristã de obediência à sua Palavra para vermos em nossos dias um avivamento...

16 de jul de 2009

LOUVOR E ADORAÇÃO

Temos o hábito de chamar o ministério de música como “Ministério de Louvor e Adoração”. Na verdade, colocamos juntos essas duas palavras, como que sendo um nome e um sobrenome. Raramente paramos para pensar nas diferenças complementares entre elas. Assim, vejamos as definições:

Louvar – lit. “Barulho” – elogiar, gabar, exaltar, enaltecer, glorificar, aprovar, aplaudir, bendizer. i. Heb. “halal” – 160 vezes no Antigo Testamento – fonte de “hallellujah”, que pode ser traduzido por “Louvado seja Yah” (Yah como abreviação de Yaweh – aquele que faz as coisas serem”)Referências: Ed. 3:10 –11; 2 Sm 6; Salmos

Adorar – lit. “Prostrar-se” – reverenciar, venerar, amar extremosamente, idolatrar, ter grande predileção a, cultuar, curvar-se, cair com o rosto em terra, render-se.i. Heb. “shachac” – 170 vezes no Antigo Testamento – denota prostrar-se diante de autoridades, mostrando significado cultural (Davi X Saul; Rute X Boaz; José X feixes...) É usado como forma comum de se chegar diante de Deus em adoração (Jr. 7:2).ii. Gr. “proskuneo” – pros (na direção de) + kuneo (beijar)Referências: Gn 22:5; 24:26, 48; Ex 4:31, 12:27, 34:8; Js 5:14; 2 Cr 29: 29-30; Ne 8:6; Jô 1:20; Sl 95:6, 132:7; Mt 2:2, 11; Mc 15:19; Jô 4:22-24; Fp 3:3; Ap 5:14, 7:11, 11:16, 14:7, 15:4, 19:4, 10, 22:8-9.

Veja um Paralelo entre LOUVOR e ADORAÇÃO:

LOUVOR: Motivado na alma por um impulso de receber do Senhor
ADORAÇÃO: Motivado no espírito por um impulso de dar ao Senhor

LOUVOR: Pode ser comunitário
ADORAÇÃO: É individual

LOUVOR: Brota das emoções
ADORAÇÃO: Brota da devoção

LOUVOR: Pelos feitos de Deus
ADORAÇÃO: Pelo que Deus é

LOUVOR: Pelos presentes de Deus
ADORAÇÃO: Pela presença de Deus

LOUVOR: É uma expressão de vida
ADORAÇÃO: É um estilo de vida

LOUVOR: É circunstancial
ADORAÇÃO: É incondicional

LOUVOR: Aprecia os feitos de Deus
ADORAÇÃO: Vive para Deus

LOUVOR: Pode ser distante
ADORAÇÃO: Só ocorre na presença

LOUVOR: É mais exuberante, enérgico, movimentado, barulhento, com mais palavras
ADORAÇÃO: É mais sóbrio, com menos movimentos, menos palavras, inclinando-se a cânticos espirituais e silêncio

Não devemos nos equivocar que é mais espiritual adorar, pois o que aprendemos é que ambos se complementam. Assim, devemos ter a liberdade de louvar com expressões espontâneas, enérgicas ao mesmo tempo de adorar com cânticos mais contemplativos.
Na verdade, a Bíblia nos indica que existem várias expressões de louvor e de adoração, tais como através da oração, cânticos, confissão, ofertório, artes em geral, pregação, ceia, batismo e do próprio exercício do ministério.
Não importa o exterior, sejam palmas, mãos levantadas, prostrando-se ou com danças. Deus olha o coração, pois diz que um coração contrito não desprezará. Veja abaixo mais referências bíblicas: Com palmas – Sl 47:1, 98:8; Is 55:12 Com mãos levantadas – Sl 63:4, 77:2, 134:2, 141:2; 1Tm 2:8; Hb 12:12Com júbilo – Sl 27:6, 35:27, 47:1, 81: 1, 2, 89:15, 95:1, 98:4, 107:22, 118:15, 132:16; 1 Sm 18:6, 7; Ex 15:21; Ne 12:43 Prostrando-se – Gn 17:3; Ez 43:3; Ap 4:10; Lv 9:24; Dt 9:25; Sl 95:6, 99:9; 2 Cr 29:28 Com danças – 1 Sm 18:6; Ex 15:20, 2 Sm 6:14, 15; Jr 31: 1-4, 13
Rodolfo Montosa

DESPERTA-ME

Com o passar do tempo vamos amadurecendo e aprendendo muitas coisas.
Algumas pessoas aprendem a ficar mais tolerantes, outras nem tanto... Na igreja vivi e ainda vivo momentos inexplicáveis de graça e poder de Deus sobre mim. Mas existem momentos em que passamos pelo deserto, e somos levados a ele para cura, mas somente como passagem, porque ali não é nosso lugar! Se é na fraqueza do meu ser que manifesta o teu poder, EIS-ME AQUI!
Mas o que quero dizer é que na igreja muitas vezes não tem espaço para quem está passando por fraqueza. Acabamos "tendo que viver" uma vida hipócrita, como alguns. Mas isso, digo que é, perder a vida em verdade! Não é pecado estarmos fracos. Pecado é aceitar a fraqueza sem luta. Jesus não tem chamado os fortes, "supercrentes" - Deus tem um plano pra mim e pra você!Ele também não prometeu que seria fácil, mas que estaria sempre conosco! Aleluia!
A intimidade não vem quando estamos louvando e adorando na congregação. Um nível de intimidade vem quando estamos sozinhos. Quando mostramos aquilo que somos! E Deus abençoa aquele que você é quando não tem ninguém e está sozinho. SER O QUE É!!
Não espere por aquilo que nem sempre as pessoas podem te dar!
Deus quer contritos de coração, quer mãos limpas diante dEle... E Ele conhece o seu coração e vai te levar além do véu!! Além das nossas limitações!! Os caminhos do Senhor são mais altos que os nossos!!Peça a Ele que te Dê uma nova chance! Desperta-nos!! Não apenas ter, mas ser benção... adorar com atitude... Não desista do plano de Deus para sua vida!
Creio no Deus que não desiste de Nós!!

10 de jul de 2009

QUEM É VOCÊ?

"Depois de pregar seu lindo sermão...
E de cantar a última canção...
Quando você volta pra casa...
E ninguém mais que você precisa impressionar está por perto...
Quem é você?Quem é você quando ninguém vê?
Quem é você?Só você mesmo pode responder...
Por trás da aparência, onde só Deus vê...
Bem no seu intimo sombrio...
Sufocado e trancado a sete chaves...
Maquiando o teu vazio...
Deus e o travesseiro sabem...
Quem é você quando ninguém vê?
Quem é você, Quem é você?
Quem é você?Longe do altar,
o que Deus vai ver quando Te sondar?
Quem é você além de um domingo...
Depois das luzes, do discurso e da máscara...
Quem é você quando ninguém vê
Quem é você?"
(Trazendo a Arca)

8 de jul de 2009

MEU "PAI" É O PILOTO

"O homem observou o menino sozinho na sala de espera do aeroporto aguardando seu vôo. Quando o embarque começou, o menino foi colocado na frente da fila, para entrar e encontrar seu assento antes dos adultos. Ao entrar no avião, o homem viu que o menino estava sentado ao lado de sua poltrona. O menino foi cortês quando puxou conversa com ele e, em seguida, começou a passar o tempo colorindo um livro. Não demonstrava ansiedade ou preocupação com o vôo enquanto as preparações para a decolagem estavam sendo feitas. Durante o vôo, o avião entrou numa tempestade muito forte, o que fez que ele balançasse como uma pena ao vento. A turbulência e as sacudidas bruscas assustaram alguns passageiros. Mas o menino parecia encarar tudo com a maior naturalidade. Uma das passageiras, sentada do outro lado do corredor, ficou preocupada com aquilo tudo e perguntou ao menino: - Você não está com medo? - Não senhora, não tenho medo, ele respondeu, levantando os olhos rapidamente de seu livro de colorir. Meu pai é o piloto!
Existem situações em nossa vida que lembram um avião passando por uma forte tempestade. Por mais que tentemos, não conseguimos nos sentir em terra firme. Temos a sensação de que estamos pendurados no ar sem nada a nos sustentar, a nos segurar, em que nos apoiarmos, e que nos sirva de socorro. Nestas horas devemos lembrar, com serenidade e confiança, que: NOSSO “PAI” É O PILOTO!"

7 de jul de 2009

DÍZIMO - SINAL DE FÉ!

:: VINTE E SEIS RAZÕES PARA SER DIZIMISTA ::
  • 1. Sou dizimista porque o dízimo é santo (Lv 27:30-32)
  • 2. Sou dizimista porque quero ser participante das grandes bênçãos (Ml 3:11,12)
  • 3. Sou dizimista porque amo a obra de Deus na face da terra (Ml 3:10)
  • 4. Sou dizimista porque não quero ser amaldiçoado (Ml 3:6)
  • 5. Sou dizimista porque não ficarei devendo 10 por centro mais os juros (Lv 27:13,31)
  • 6. Sou dizimista porque Deus é o dono de tudo (Sl 24, Ag 2:8)
  • 7. Sou dizimista porque eu mesmo vou gozar das riquezas de Deus (Dt 14:23)
  • 8. Sou dizimista porque mais bem aventurado é dar do que receber (At 20:35)
  • 9. Sou dizimista porque Deus ama a quem dá com alegria (II Co 9:7)
  • 10. Sou dizimista porque tudo vem das mãos de Deus (I Cr 29:14)
  • 11. Sou dizimista porque não sou avarento (I Tm 6:10)
  • 12. Sou dizimista porque meu rico tesouro está no céus (Mt 6:19-21)
  • 13. Sou dizimista porque tudo que peço recebo (Mt 6:19-21)
  • 14. Sou dizimista porque obedeço a Deus (At 5:29)
  • 15. Sou dizimista porque a bênção de Deus é que enriquece (Pv 10:22, At 3:6)
  • 16. Sou dizimista porque cada lei de Deus promete recompensa (Sl 19:7-11)
  • 17. Sou dizimista porque receberei de Deus com a mesma medida (Lc 6:38)
  • 18. Sou dizimista porque os pensamentos de Deus são mais altos que os meus (Is 55:9)
  • 19. Sou dizimista porque Deus me escolheu e me nomeou (Jo 15:16)
  • 20. Sou dizimista porque Deus diz: Fazei prova de Mim (Ml 3:10)
  • 21. Sou dizimista porque a minha descendência não vai mendigar o pão (Sl 37:25)
  • 22. Sou dizimista porque meu salário não será posto em saco furado (Ag 1:6)
  • 23. Sou dizimista porque é minha responsabilidade o sustento da Igreja (Ml 3:10)
  • 24. Sou dizimista porque quero ter a consciência tranquila (I Tm 1:19, 3:9)
  • 25. Sou dizimista porque tudo que o homem semeia isso ceifará (Sl 6:7)
  • 26. Sou dizimista porque suprirá toda necessidade (Fl 4:19)

"POR CAUSA DE VÓS REPREENDEREI O DEVORADOR. DIZ O SENHOR DOS EXÉRCITOS" (Ml 3:11)

6 de jul de 2009

GLÓRIA DA SEGUNDA CASA


Estou reconstruindo meu templo
Põe a tua glória aqui
Glória que não cabe em palácios
Porque foi feita pra mim
Não terei beleza apenas por fora
Quero o teu ouro em meu interior
Só assim verei tua glória meu Senhor
Eu quero a glória da segunda casa
A unção da segunda casa
O poder da segunda casa
Eu quero sobre mim
Quero sobre mim
O ouro da segunda casa
O mover da segunda casa
Porque a glória dessa casa
Não será passageira
Será maior que a da primeira

3 de jul de 2009

UM CRENTE DIFERENTE!

“De onde tiramos a idéia de que não podemos mudar? De onde vêm afirmações como “A preocupação faz parte da minha natureza”, ou “Sempre fui pessimista. Eu sou assim mesmo”, ou “Tenho gênio ruim. Não posso evitar”. Quem disse? Será que diríamos coisas similares a respeito do nosso corpo? “É minha natureza ter uma perna quebrada. Não posso fazer nada para evitar”. Com certeza não. Se nossos corpos funcionam mal, buscamos ajuda. Não deveríamos fazer o mesmo com nossos corações? Não deveríamos procurar ajuda para nossas atitudes azedas? Não podemos pedir tratamento para nossos ataques de egoísmo? Com certeza podemos; Jesus pode mudar nossos corações. Ele deseja que ganhemos um coração como o dEle.
Consegue imaginar uma oferta melhor?” – Max Lucado


Quero ser um CRENTE diferente. Não quero ser conhecida apenas como alguém que “não bebe, não fuma e não joga”. Isso é muito pouco. A”geração saúde”, que freqüenta as academias e come comida natural, não bebe e não fuma, e nem por isso podem ser chamados de cristãos.Também não me contento em ser chamada de crente por ter um modo diferente de me vestir. Durante muito tempo, no Brasil, a diferença que os crentes queriam mostrar era que eles se vestiam de uma maneira”esquisita”, e isso acabou tornando-se motivo de chacota e que em nada engrandecia o Reino. Com certeza, usar uma roupa fora de moda, não faz de ninguém um cristão. Também não me satisfaço com o modelo “gospel” de crente que há hoje em dia. Broche de Jesus, caneta de Jesus, meias de Jesus. A grife “JESUS” tem vendido muito. Mas não adianta. Usar toda a parafernália do marketing “gospel” não faz de ninguém um cristão. Não se pensa, cria ou reflete, só se repete chavão do tipo “glóooooria”, “Ta amarrado”, “É tremendooo”, etc. Definitivamente, repetir chavões a todo o momento não faz de ninguém um cristão. Quero ser um crente diferente. Que não seja alienado da vida e de seus acontecimentos. Que saiba discutir e entender as questões existenciais, como a dor, a miséria, a sexualidade, a paixão, o amor. Quero ser um crente que não vive acuado, com medo de tudo, vendo o diabo em toda à parte e querendo amarrá-lo a todo o momento. Jesus Cristo o derrotou na cruz, ele é um derrotado, e eu não preciso ficar me preocupando com ele 24 horas por dia. Quero ser um crente que saiba falar de tudo e não apenas de religião,e que tenha, em todas as áreas, discernimento e sabedoria. Quero ser um crente que não tenha uma atitude conformista diante do mundo, do tipo: “Ah, Deus quis assim…”, mas que eu seja um agente de transformação nas mãos de Deus. Que a minha diferença não esteja na roupa, mas na essência: coração bom, olhos bons. Quero ser um crente que cria os filhos com liberdade, apenas corrigindo-lhes, para que cresçam e desabrochem toda a criatividade que Deus lhes deu. Quero ser um crente que vive bem como seu próximo. Quero ser reconhecido como um crente pelo que eu “sou”e não por aquilo que “não faço”.Quero ser um crente simpático aos outros, agradável, piedosa, que se entristece com a dor do próximo, mas também se alegra com o seu sucesso (já reparou que as pessoas se solidarizam com nossas derrotas, mas poucos manifestam alegria quando vencemos?). Não quero ter de falar a todo o momento que sou crente, para que outros saibam, mas quero viver de tal modo que outros percebam Cristo em mim.

27 de jun de 2009

RECOMEÇAR


O fazer “de-novo” depois da queda, tem-se que aprender a ciência do fazer sem a energia do começar, que, em geral, vem da ambição de provar o próprio valor, e, depois, prossegue pela simbiose entre sucesso e vaidade.
Aquele que um dia fez e caiu no que fazia, tem que se erguer de escombros de depressão, de tristeza e de realidade em estilhaços, e isso sem os ânimos do engano. Eu sei o que estou falando. Já tive que me pôr de pé muitos e muitos dias apenas crendo que é em pé que eu deveria estar. E dizia para mim mesmo: “Filha do Homem! Põe-te em pé e falarei contigo!”; ou ainda: “Que fazes aqui Elias?”; ou mesmo: “Das profundezas clamo a Ti Senhor!” E para recomeçar? Ah! Meu Deus! Pesa mais recomeçar depois que já se teve muito ou quase tudo, do que quando nunca se fez ou teve nada. Sim! Pois se sabe que se foi por muitos labores que se chegou aonde se chegou [e de onde se caiu] — será por muitos e muitos mais trabalhos interiores e exteriores que se sairá de onde se caiu a fim de começar outra vez. Para recomeçar no sentido da vida só mesmo pela fé!
Talvez seja por essa razão que Abraão já não fosse jovem quando foi chamado; e já era um velho amortecido quando gerou seu filho Isaque. Talvez seja pela mesma razão que Moisés já fosse idoso ao ser chamado para conduzir o povo. Sim! Pois ambos já eram homens sem ilusões, e, por isto, eram homens apenas da fé, e não do entusiasmo dos tolos e ambiciosos, por mais puros que fossem em seu entusiasmo iludido. Abraão e Moisés não voltaram para suas casas empolgados e dizendo: “Oba! Surgiu-me uma grande oportunidade de mudar o mundo!” Não! Foram decisões difíceis e graves. Implicavam em abandonar todos os passados. Determinava uma decisão de rompimento com todas as coisas. Era como nascer de novo já velho, (não que eu seja "velha"rsrs), nascer sem as ignorâncias que animam a existência juvenil. Enquanto a gente começa apenas na empolgação, a gente fica sem saber o significado de andar apesar de tudo, e de esperar contra a esperança. Cada ação minha é muito mais apenas e tão somente o fruto de minha essência em fé e amor a Deus e à vida, pois, os motivadores de antes todos eles se acabaram. Hoje eu sei que a glória da segunda casa é maior do que a da primeira, pois, a primeira casa é feita pelas mãos movidas pela glória, enquanto as mãos que erguem a segunda casa são apenas movidas pelo amor simples. Assim, quando faço muitas coisas apenas por consciência e não por empolgação, muitas vezes o faço entre suspiros pesados de cansaço, mas com grande alegria de verdade no coração, pois, a segunda casa não é gloriosa como a primeira, mas é simples, sincera e sem entusiasmos infantis. Até Noé, depois do Dilúvio, antes de recomeçar, plantou uma vinha, pois, depois do Dilúvio a alma quer um descanso de alegria leve. Mas a vinha não lhe fez bem. Excedeu-se. E teve que viver com as conseqüências. Depois do dilúvio eu fiquei parado entre plantar uma vinha e continuar direto da arca para a construção de algo que fosse a continuidade da vida. Fiquei em silêncio!... Decidi plantar um trigal, não um vinhedo. Crendo que aquele que vai andando e chorando enquanto semeia, voltará com jubilo trazendo os seus feixes. E é assim que levanto todas as manhãs. É assim que me levantarei todas as manhãs, se Ele assim me ajudar. Pois, quero andar serena enquanto planto; certa de que se chora no caminho, mas, muito mais certa ainda de que os feixes de vida já estão prontos para que eu os leve em meus ombros como carga de alegria da vida.
Amém!
"...considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus!!" (Rom. 06:11)

9 de jun de 2009

OBEDECER...


Quando um homem serve a Deus, procurando fazer a Sua vontade, há sobre a sua vida bênçãos. Ele sendo bom e honesto receberá bênçãos atrás da outra. Andando sempre debaixo da doutrina da Palavra, o justo só terá recompensas da parte de Deus. Viver em justiça é buscar a Deus sobre todas as coisas, é ouvir a Sua voz e fazer cumprir Seus mandamentos durante sua vida. Dessa forma as bênçãos do Senhor alcançam o homem obediente; quando há obediência às leis do Senhor, Deus dá grande abundância de boas coisas da terra; serão abertos sobre a sua vida o maravilhoso tesouro: o céu no tempo certo. Tudo quanto faz o justo prosperará. Emprestará e não tomará emprestado. O justo tem sobre a sua cabeça bênçãos de fartura de pão, benção quando entrar e benção quando sair. Tudo que suas mãos produzirem será também abençoado, toda a sua descendência será bendita, pois a coroa do justo vem de Deus; as bençãos que Deus tem para Seu servo são muitas, incontáveis, incomparáveis e maravilhosas. Muitos vêem e não entendem porque o cristão é feliz, mas nós sabemos que as promessas de vitória àquele que persevera diante de Deus serão cumpridas, pois há segredos do Senhor nosso Deus que Ele só conta ao servo obediente, justo e fiel a Ele e ao que busca de todo coração. Ao justo que vive na presença de Deus, Ele revela a Sua palavra e é para que seja conhecida e vivida em obediência pelo justo e por sua descendência sendo assim cumprida como no Sl 37:25: “Já fui moço, hoje sou velho, mas nunca vi um justo desamparado e nem a sua descendência mendigar o pão.” Ao que dá ouvido à Sua voz, obedece a Sua palavra, é esforçado em aprender, tem bom ânimo, o Senhor é fiel para amparar e jamais deixa-lo. Deus diz que a chave para uma vida prospera e feliz é OBEDECER. O Senhor tem derramado sobre a vida dos seus servos bênçãos que o seguem, estão sobre ele. Alem de Suas bênçãos estarem sobre o servo, ele é o Senhor que sustenta e ainda diz mais aos seus: “Não temas, sê tu uma benção”. Faça a diferença. Quando das lutas, Deus continua a te dizer pela Sua palavra: “eis que nessa peleja não tereis que pelejar”, pois Ele é o Senhor que te dá vitória em todas as suas batalhas, tão somente confie, que toda boca de Leão Deus já fechou, mesmo que você tenha que entrar na cova, Ele é Deus e fará o impossível por você. Que Deus abençoe a Tua vida abundantemente e que a Sua palavra seja sempre cumprida na sua vida, assim como Ele foi com Abraão, Isaque, Jacó, Jose do Egito, Moises e Josué, o Senhor seja contigo também desde agora e para sempre.

Escute o senhor JESUS e não o homem!
Viva pelo senhor JESUS e não pelo homem!
Adore ao senhor JESUS e perdoe o homem!

6 de jun de 2009

AS DOENÇAS DE SER...

...QUE NÃO VEMOS EM NÓS!

Não é porque alguém não defeque nas calças e nem faça xixi nas pernas que seja sadio. Não é porque uma pessoa não seja violenta e agressiva que por tal razão seja sadia. Não é porque a pessoa não apresente nenhuma das disfunções psíquicas que ocorrem como transtorno em pessoas diagnosticadas com problemas psíquicos graves que, por tal razão, ela seja mentalmente sadia. Nossos maiores problemas mentais não são objeto de preocupações psicológicas e psiquiátricas. Sim! Eles decorrem de inseguranças sutis, de abusos leves, de mentiras simples, de implicâncias e antipatias inocentes, de direitos pessoais exacerbados, de intenções de controle e manipulação, de incapacidade de se enxergar, de traumas antigos e esquecidos, mas que deixam suas trilhas como caminho emocional na pessoa, etc. Desse modo, não havendo cuidado e atenção da pessoa a si mesma, às suas emoções, reações, explosões, iras, irritações, etc. — ela vai ficando cega; e, pela normalidade da conduta social, vai adoecendo na alma sem notar que o mal está instalado e crescendo... Nessa hora [hora-sempre], além de freqüente e diário auto-exame, devemos também, por mais chato e desagradável que nos seja, passarmos a dar atenção ao que os outros que nos amam dizem a nosso respeito; visto que, muitas vezes, o que os outros - íntimos dizem de nós carrega muito daquilo que não vemos e não queremos ver e admitir. Normalmente tal situação é criada por um de dois extremos na alma:
1. Excesso de segurança sobre os próprios conceitos e justiça-própria.
Ora, uma pessoa tomada de tais certezas de justiça pessoal, em geral se torna incapaz de ver suas próprias idiossincrasias; as quais, em tal caso, são o resultado de tudo o que ‘de bom’ resida em tal justiça pessoal, mas que, não sendo objeto de analise da pessoa, acaba cegando áreas inteiras da auto-percepção; sem falar que muita gente, depois de um tempo vivendo assim, desenvolve mais e mais aspectos positivos de sua justiça-própria com a finalidade inconsciente de ter álibi para um monte de outras coisas que a pessoa não quer ver e nem tratar.
2. Grande insegurança acerca de si mesmo.
Se a pessoa cheia de justiça-própria pode cegar-se por falta de auto-percepção gerada pela falsa idéia de justiça pessoal, de outro lado, o inseguro enxerga-se de modo desproporcionalmente negativo, e, assim, desenvolve todas as doenças da insegurança, que podem ir de extremo narcisismo ao oposto dele, que é a pior auto-imagem possível. Por isto, o mandamento é este: “Examine-se o homem assim mesmo...” Afinal, se no Querubim da Guarda pôde entrar perversidade em meio à Glória, pergunto: Quem fez você crer que, por julgar-se bom e justo, algo do Querubim Exaltado não possa alojar-se sutilmente em você? Sim! As piores doenças do ser não existem nas tabelas de doenças da alma da ciência. Nosso chamado, todavia, é para a cura diária e para a auto-analise cotidiana; não nos conformando com os padrões de comportamento adoecido desta geração perversa, e, além disso, aceitando nosso chamado para a renovação da mente, todos os dias; checando a nós mesmos diante do amor de Deus e do padrão de saúde interior determinado pelo mandamento de ser, conforme o amor em Jesus. No dia em que alguém se julga completamente sadio, nesse dia estará mais doente de alma do que nunca. Somente os que existem crendo que precisam não apenas de manutenção espiritual, mas de cura mesmo, é que viverão sendo curados todos os dias. Aquele, porém, que julga que falta muito pouco a ser curado nele, esse, infelizmente, morrerá sob a presunção da saúde, celebrando conquistas antigas, mas que se perderam no tempo; posto que nenhuma virtude é perene em nós, visto que para cada virtude existe uma não-virtude equivalente ao que em nós seja virtuoso; e, assim, pela falta de auto-analise, o pólo negativo e equivalente de nossa virtude, sutilmente vai se alojando em nós, até que nos tome, enquanto nós julgamos que se trata ainda da virtude original. Não adianta. Não há bom. Quem não se entrega diariamente ao exame na verdade do Evangelho, esse, mesmo supondo servir a Deus, vai se perdendo sem notar...


É assim que o Querubim da Guarda se torna Lúcifer e só fica sabendo quando já é diabo.
•~ °•~ °•~ Pense nisso e olhe para você mesmo!•~ °•~ °•~

4 de jun de 2009

ENQUANTO O CÉU NÃO CHEGAR...

O que devo fazer comigo mesmo até que chegue a hora de ir para o céu?
Esta é questão que hoje lateja na base do ser de quase todos os cristãos que se consideram “convertidos”. Converteram-se, mas não sabem ao quê e muito menos para o quê! Há aqueles que escondem essa questão dando uma resposta rápida: “Converti-me para glorificar a Deus e ser testemunha de Seu Reino”— então, após assim confessarem, passam a correr muito, de um lugar para o outro, a fim de salvar o mundo, sem perceber, é que precisam correr e correr, pois, do contrário, se olhassem para si mesmos e para suas inúmeras irresoluções, morreriam de depressão! A chamada “obra de Deus” esconde muita necessidade de verdadeiras obras de Deus em nosso ser, mas que não queremos nos abrir para experimentar. O Evangelho é essa Boa Nova sobre o quê e como se viver até que sejamos absorvidos pela vida. O problema, para muitos de nós, é que duas coisas acontecem: 1. Uma vez “convertidos” passamos a crer que o Evangelho que nos salvou agora é para “outros”, os perdidos que temos que alcançar. Dessa forma, a Boa Nova passa a ser por nós uma espécie de Herba Life que nós nos comprometemos a vender como dieta e pacote, a fim de que o negócio se expanda de modo piramidal. Mas já não tem mais nada a ver conosco, mas com a perdição dos outros. 2. Uma vez “convertidos” perdemos a nossa alma—digo: alma como psique. Ganhamos uma “alma salva”—e que aguarda o céu—enquanto perdemos a alma como lugar de movimentos permanentes, crescimentos, experiência de estações e auto-descoberta. Ou seja: a alma acaba como lugar de aventura e de crescimento pessoal. Por isto é que há cada vez mais há hordas imensas de cristãos doentes e infelizes. Afinal, o que lhes foi oferecido como vida no dia chamado Hoje, agora é apenas um título de capitalização celestial para num dia chamado Quem Sabe poder ser descontado na forma de um galardão—isto por se ter suportado viver tão miseravelmente enquanto o céu não chegava.
Fiel é a Palavra... Cristo Jesus veio ao mundo salvar os pecadores... Dos quais eu sou o principal... Desse modo, antes de tudo e todos, o Evangelho é para mim. Eu preciso da Graça e do Amor do Espírito para viver na Terra. Não foi para nada diferente que o Evangelho nos alcançou.
horda
s. f.
1. Tribo errante.
2. Bando indisciplinado; caterva.

3 de jun de 2009

TIREM AS MÁSCARAS!


Soren Kierkegaard certa vez disse que "a vida é um baile de máscaras."
Ele sabia que este era o escudo atrás do qual as almas se escondiam de si mesmas, e, assim, tentavam ocultar suas faces também para a percepção dos demais.
A maioria quer ser famosa, mas poucos querem ser conhecidos!
Ora, usar máscaras, para muitos, não passa de truque, de um direito, de uma opção: ser ou não ser; mostrar ou não mostrar; como se tal bravata contra o próprio ser pudesse passar sem punição.
Para muitos, esconder-se atrás das máscaras é apenas um questão de proteção ou de diversão inexaurível e viciante.
Sim, acaba virando um vício do ser, a tal ponto que sem as máscaras muitos homens não suportam e morrem.
Assim, para a maioria, sem o personagem, acaba a pessoa.
Talvez esta seja a razão pela qual até agora ninguém conseguiu conhecer você, pois toda revelação que você faz de “si mesmo”, é sempre uma ilusão.
Você não sabe quem você é, mas apenas sabe qual deve ser a sua imagem, a sua máscara.
Nesse caso, sua mais ardente e compulsiva tarefa na existência consiste em preservar seu esconderijo. E, sem dúvida, devemos admitir que muita gente desenvolveu tal capacidade de transformismo com a mesma habilidade dos polvos miméticos.
Sendo assim, diz Kierkegaard, “você é tão mais bem sucedido, quanto mais enigmática for a sua máscara”.
Quando a existência se transforma “nisto”, eu e você viramos de fato nada além de NADA.
Ou seja, passamos a ser apenas uma “relação com os outros”; e o que nos tornamos é unicamente em razão e em “virtude dessa relação”.
A moral é a grande máscara. E os moralistas são o que detém o maior número de disfarces. Entre esses, o mais danoso de todos é o estelionatário da religião, o picareta que come as almas dos homens.
Lobos mascarados de ovelhas! A maioria existe assim. Daí, para muitos, catástrofes que lhes roubam as “máscaras” os deixam em estado de desespero, visto que sem a máscara eles não possuem um rosto próprio, algo que a própria pessoa reconheça para si e como sua, e não apenas como um reflexo da imagem que os outros devolvem para você mesmo, supostamente acerca de quem você aparenta ser para eles.
Desse modo, você vende imagem, e se alimenta dela. Mas no dia em que as máscaras são tiradas, muitos não conseguem mais viver, pois neles não há uma vida própria, mas apenas uma existência fabricada para consumo no Baile de Fantasias, que é a existência da maioria.
"Você não sabe que vem a hora chamada “meia noite” na qual todos terão que lançar fora suas máscaras? Você crê realmente que a vida se deixará zombar para sempre? Ou talvez você pense que pode escapar um pouco antes da “meia noite” e fugir de tal hora? Ou será que você fica apavorado com essa idéia?”—pergunta.
Você consegue pensar em algo mais apavorante do que ter que viver tal “meia noite” em sua existência na Terra ou em qualquer outro lugar onde isto possa lhe acontecer?
Quem vive nesse Baile de Fantasias não tem idéia do que faz de mal à sua própria alma.
Não existe droga mais viciante do que a força compulsiva da “máscara”.
Aquele que se faz um com a máscara, faz-se um com o Nada, pois sua natureza vai se dissolvendo numa multiplicidade...e que acaba fazendo com que esse ser realmente se torne muitos.
Você pode se tornar semelhante àquele pobre Gadareno, ocupado por “infelizes demônios”; numa legião de falsas identidades, que não são suas identidades, e muito menos correspondem a você!
Os demônios habitam sob máscaras.
Por isto mascarados lhes são tão desejáveis residências.
Pobre do auto-enganado que pensa que as máscaras o salvarão!
Tire de sua cara a máscara. Do contrário, você poderá vir a perder a coisa mais sagrada e preciosa de um homem - o poder unificador da personalidade, e a capacidade abençoada de se tornar alguém que seja realmente você.
Tirem suas máscaras e recebam VIDA!!

Seguidores