31 de mar de 2009


O dia é de comemoração: é meu aniversário!

Sou imensamente grata a Deus por tudo que acontece comigo,
pela minha saúde, por estar trabalhando, pela minha família, pelas alegrias, por tantas mudanças vividas… Também agradeço as pedras no caminho que me fazem mais forte, sem elas não saberia valorizar os bons momentos.
Hoje, que faço 33 anos, penso em todas as fases que já vivi. Se pudesse, gostaria de ter o “dom” de me encontrar com a Patrícia em outras etapas da minha vida para resgatar alguns valores que deixei para trás e reviver épocas especiais. Encontrar com aquela menina tímida que fui aos 8 anos, que adorava brincar de boneca, ler histórinhas e passar o dia na casa da avó; com a adolescente cheia de sonhos aos 15 anos, que tinha a agenda recheada de segredos, muitos amigos, paixões platônicas, se achava a Olívia Palito e adorava jogar volei; com a jovem apaixonada aos 18 anos, que tinha acabado de ter o primeiro filho e só sabia planejar o futuro; com a recém-casada, cheia de dúvidas e, ao mesmo tempo, com muitas certezas; com a profissional dedicada aos 27 anos, que mal tinha tempo para estar com a família, mas que era tão feliz por trabalhar naquilo que gostava…
Não sei se sou melhor ou pior do que fui em cada fase vivida, mas elas me ajudaram a ser quem sou hoje. Por isso, agradeço a oportunidade de estar viva e celebrando com vocês. Obrigada.

“Ontem é história. Amanhã é um mistério. Hoje é uma dádiva. Por isso se chama Presente!”(autor desconhecido)

29 de mar de 2009

DEPENDÊNCIA


Deus leva-nos a viver na sua dependência, através das provas e desertos espirituais, para aprendermos a confiar e a crescer mais nele e assim o conhecermos melhor.
Muitas vezes os cristãos não estão preparados para o deserto, porque pensam que os problemas acabam no dia que aceitam Jesus, e por isso quando são testados não entendem que precisam aprender a lição da dependência de Deus, para poderem crescer espiritualmente.
Quando o povo de Israel estava no Egito, Deus viu o clamor e o sofrimento deles e preparou a sua saída. Deus quis tirar o povo da escravidão.
Ainda hoje , o deserto costuma ser um lugar de passagem para todo o filho de Deus, onde o Senhor nos ensina verdades que nos capacitam para a nossa vida cristã em todos os níveis.
Quando o povo saiu do Egito, o Senhor ia diante deles. Êxodo 13:21,22. “E o Senhor ía diante deles, de dia numa coluna de nuvem, para os guiar e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, para que caminhassem de dia e de noite. Nunca tirou de diante da face do povo a coluna de nuvem de dia, nem a coluna de fogo de noite”.
Deus quis que o seu povo ficasse totalmente dependente dele para fortalecer a sua confiança.
O povo tinha visto o que o Senhor havia feito para os levar até ali, mas quando olharam e viram Faraó no seu encalce o temor fêz com que esquecessem o quão Deus é grande. Êxodo 14:10-16.
Deus no entanto queria ensinar-lhes a lição da dependência. Mar à frente – Faraó atrás
Dependiam de Deus para comer, beber, vestir, calçar – Total dependência.
No deserto não há nada, Deus queria fazê-los crescer espiritualmente. Dt 8:2,3,4 Deus queria que eles próprios se conhecessem.
A dependência de Deus tem como objectivo tornar-nos fortes. Quando estamos no deserto somos provados, para sermos aprovados.
Quando estamos sendo provados temos de desenvolver atitudes que nos vão fazer sair aprovados e vitoriosos sobre todas as provas.
Seremos vencedores com a confiança e confissão das verdades da Palavra de Deus para a nossa situação.
Seremos vencedores Fp 4:13. “Sei estar abatido e sei também ter abundância, em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruido, tanto a ter fartura, como a ter fome, tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas, naquele que me fortalece.”
2 Co.12:9 “ E disse-me a minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade pois me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo”
Viver na dependência de Deus é: viver acima dos nossos limites, das nossas capacidades, das nossas forças de nós próprios .
Mateus 17:8 “ E erguendo eles os olhos a ninguém viram senão unicamente a Jesus”
Viver na dependência de Deus é não contares contigo, mas contares com Ele em ti e creres que podes todas as coisas , que terás toda a capacidade, que terás a força suficiente que és mais que vencedor naquele que te capacita, que te fortalece, que é tudo em ti.

26 de mar de 2009

DESERTO


No deserto somos capazes de experimentar anos perguntando a nós mesmos: " Onde foi que eu errei?" Por que está tão difícil?".
Podemos nos sentir isolados, solitários e abandonados. Ficamos imaginando se chegaremos a sair um dia dessa rotina esquecida por Deus. Os desertos, nos ensinam o poder da simplicidade. Somos lembrados que nem tudo gira ao nosso redor. Que existe alguém que ainda abre e fecha as portas do alto.
Algumas vezes o deserto é menos óbvio, e nos sentimos simplemente frustados, nos esforçamos, tentamos, atropelamos e lutamos - mas com pouco resultado. Embora muita coisa possa estar acontecendo no interior, não vemos resultado tangíveis no exterior.
Se cedemos, no entanto, nos tornamos menos dependentes das circunstâncias para sermos felizes,nos libertamos da necessidade de soluções simplistas e ajustes rápidos. Paulo não evitou o deserto. Ele o enfrentou de cabeça. Ele abraçou seu deserto e não se evadiu da dor, das trevas, da solidão.
A compulsão reduz a marcha. A intensidade é substituída por simples fé - se deixarmos. Quando você permite que os desertos o moldem, você libera e descobre uma nova capacidade de produzir fruto duradouro, e então, como Paulo,desenvolve a capacidade de suportar os altos e baixos da vida com fé e esperança.
CLARO, A ESCOLHA É SUA!!

24 de mar de 2009

DIREITO DE NÃO CRER


Celebro aqui o meu pessoal direito de não crer!
Não creio que preciso ter todas as respostas para continuar crendo;
Não creio que meu entendimento teológico me garanta o conhecer a Deus;
Não creio que é possível conhecer todos os métodos divinos;
Não creio em métodos divinos;
Não creio em oração funcional;
Não creio que todos os que crêem enriquecem no bolso;
Não creio que Deus está a venda;
Não creio que Deus use venda;
Não creio que Deus tenha agenda;
Não creio que seja possível cobrar de Deus;
Não creio que palavras tenham poder em si mesmo;
Não creio que líder é mais que seus liderados;
Não creio em estruturas santas;
Não creio em santos mais santos,
Não creio em santos menos santos;
Não creio que não posso pensar;
Não creio que a razão contraria a fé;
Não creio que a fé se explica pela razão;
Não creio que só exista o que a razão explica;
Não creio que Deus tenha religião;
Não creio que Deus só ouve música gospel;
Não creio que Deus ouça música alguma;
Não creio que culto termine no amém;
Não creio que homens sejam mais ou menos de Deus;
Não creio que homens sejam mais ou menos ungidos;
Não creio que homens sejam donos de ovelhas;
Não creio que somos literalmente ovelhas;
Não creio que somos literalmente ovelhas porque somos humanos e Deus ama homens
e não ovelhas (sem esquecer que toda a criação é amada pelo Criador e que ovelhas
são bem bonitinhas);
Não creio que os que não crêem como eu creio sejam incrédulos;
Não creio que você ao me chamar de incrédulo me transforme em incrédulo;
Não creio que se você crer no que eu não creio não sejamos irmãos;
Não creio que devo lutar pelo que eu não creio.
Há outras coisas nas quais não creio, e outras que não creio mais, já que um dia cri.
Esse é meu não credo pessoal.
E se você quer saber no que creio, me basta a fé em Jesus,
o Nazareno, que na Terra nasceu da virgem,
mas que na Eternidade é desde sempre e que sendo voltará,
não sei quando nem como, mas voltará,
seja para mim, seja para todos.
Maranata!!!
Tendo por certo isto, que Aquele que começou a boa obra
é fiel para aperfeiçoá-la até o dia de Cristo Jesus.(Filipenses 1.6)

23 de mar de 2009

A PERFEITA IMPERFEIÇÃO DA IGREJA


Tem gente que ainda não entendeu que quando Jesus disse “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, eu aí estou no meio deles”, Ele estava ensinando qual é o vértice espiritual e histórico que dá significado à Igreja; ou seja: Ele ensina o que “realiza a verdade” da Igreja, como encontro humano.E o contexto fala de reconciliação. Um irmão “ofendido” tem que procurar o “ofensor” e tentar ganhá-lo. E isto deve ser feito insistentemente, até que o próprio ofensor rejeite toda conciliação.A palavra grega que designa essa “reunião” é mesma que fala de harmonia, como se o que estivesse em curso fosse uma “afinação de instrumentos”.O outro pólo mais adulto dessa proposta está em Lucas, quando Jesus diz que se deve perdoar ao irmão até setenta vezes sete num único dia.Ou seja: a proposta de Jesus nos põe a todos de calça curta, e necessitados de dizer: “Senhor, aumenta-nos a fé; pois ainda não somos cristãos”.Até o quarto século o que impressionou os “pagãos” que observavam os cristãos não era a “perfeição” deles, mas o amor e a graça com a qual se tratavam e tratavam o mundo.“Olhem como se amam!”—era a estupefação que ecoava nas palavras de gente que olhava os cristãos de fora, conforme vários testemunhos encontrados em antigos textos históricos.Portanto, a perfeição da igreja é não se “vender como perfeita”, mas sim se revelar, sem ensaio e performance, como lugar de misericórdia e graça.Não é possível esperar perfeição de nenhum de nós. Somos caídos e maus...o melhor de nós ainda é mau.O que nos faz diferentes é nossa atitude, se é honesta com a nossa própria Queda, e, sobretudo, sincera com a Graça que todos nós temos recebidos.Daí a perfeição do discípulo ser sua humildade... humildade para ser, sem ser ainda o que deseja; humildade para viver com misericórdia, pois ele mesmo carece dela, todos os dias, nos céus e na terra. Repito: o problema da “igreja” nunca foram os seus erros humanos, mas sim a sua arrogância em relação a não se enxergar, e oferecer-se como a Representante de Deus na terra.Quem desejar, que tente!Mas no dia em que deixarmos de lado toda essa empáfia e formos apenas gente da Graça, então, assustados veremos o respeito que o mundo nos terá; conforme aconteceu até o ano 332 da presente era, ainda que algumas vezes o lugar do testemunho tenham sido cruzes e arenas...E havia problemas antes disso? Sim, sempre houve muitos problemas!Quem conhece a História sabe deles. E quem lê os textos produzidos nos dois primeiros séculos, sabe da quantidade de dificuldades internas que os vários grupos cristãos tiveram. Todavia, tais problemas não foram problemas reais enquanto o sentido de “irmandade na Graça” esteve presente.Não foi a perfeição da Igreja que abalou o Império Romano. Foi a sua perfeita-imperfeição; ou seja: sua humanidade vivida sob a graça; e que falava da Boa Nova em Jesus, não nela mesma. Nela havia humildade, serviço, confissão, comunhão e coragem sem empáfia.Me sinto um bobo escrevendo coisas tão BÁSICAS, mas é que fico assustado quando vejo que os crentes de hoje não têm umbigo, e pensam que estão inventando a “igreja” agora.E pior: dói-me ver que alguns dizem: “É assim mesmo...temos que nos acostumar...quando é que já foi diferente?”Bem, foi diferente apenas enquanto todos se sabiam filhos da misericórdia e buscavam renovar a mente conforme o entendimento na Graça; e que só se manifesta no nível horizontal como amor e simplicidade no trato humano, o que acontece naturalmente quando a arrogância dá lugar à gratidão em razão da consciência acerca do perdão recebido.Jesus não pede perfeição —mesmo quando diz “Sede perfeitos, como perfeito é vosso Pai...”—, pois a única perfeição humana é assumir sua própria imperfeição, e, assim, imitar o Pai, não em sua Perfeita-Perfeição, mas em Sua Graça, que Ele derrama sobre justos em injustos.A perfeição da Igreja é ser humildemente filha desse Pai que a todos trata com misericórdia!Quem não for cego, que veja; quem não for surdo, que ouça; quem tiver entendimento, não o feche; e quem tiver sido objeto da Graça, que a sirva aos outros.Nossa perfeição é a Justiça de Cristo!
Transcrito

UM CONVITE À DOCE REVOLUÇÃO...

Artigo 1 – Fica decretado que agora não há mais nenhuma condenação para quem está em Jesus, pois, o Espírito da Vida em Cristo, livra o homem de toda culpa para sempre.

Artigo 2 – Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive os Sábados e Domingos, carregam consigo o amanhecer do Dia Chamado Hoje, por isso qualquer homem terá sempre mais valor que as obrigações de qualquer religião.

Artigo 3 – Fica decretado que a partir deste momento haverá videiras, e que seus vinhos podem ser bebidos; olivais, e que com seus azeites todos podem ser ungidos; mangueiras e mangas de todos os tipos, e que com elas todo homem pode se lambuzar.

Parágrafo do Momento: Todas as flores serão de esperança; pois que todas as cores, inclusive o preto, serão cores de esperança ante o olhar de quem souber apreciar. Nenhuma cor simbolizará mais o bem ou o mal, mas apenas seu próprio tom, pois, o que daí passar estará sempre no olhar de quem vê.

Artigo 4 – Fica decretado que o homem não julgará mais o homem, e que cada um respeitará seu próximo como o Rio Negro respeita suas diferenças com o Solimões, visto que com ele se encontra para correrem juntos o mesmo curso até o encontro com o Mar.

Parágrafo que nada pára: O homem dará liberdade ao homem assim como a águia dá liberdade para seu filhote voar.

Artigo 5 – Fica decretado que os homens estão livres e que nunca mais nenhum homem será diferente de outro homem por causa de qualquer Causa. Todas as mordaças serão transformadas em ataduras para que sejam curadas as feridas provocadas pela tirania do silencio. A alegria do homem será o prazer de ser quem é para Aquele que o fez, e para todo aquele que encontre em seu caminhar.

Artigo 6 – Fica ordenado, por mais tempo que o tempo possa medir, que todos os povos da Terra serão um só povo, e que todos trarão as oferendas da Gratidão para a Praça da Nova Jerusalém.

Artigo 7 – Pelas virtudes da Cruz fica estabelecido que mesmo o mais injusto dos homens que se arrependa de seus maus caminhos, terá acesso à Arvore da Vida, por suas folhas será curado, e dela se alimentará por toda a eternidade.

Artigo 8 – Está decretado que pela força da Ressurreição nunca mais nenhum homem apresentará a Deus a culpa de outro homem, rogando com ódio as bênçãos da maldição. Pois todo escrito de dívidas que havia contra o homem foi rasgado, e assustados para sempre ficaram os acusadores da maldade.Parágrafo único: Cada um aprenderá a cuidar em paz de seu próprio coração.

Artigo 9 – Fica permanentemente esclarecido, com a Luz do Sol da Justiça, que somente Deus sabe o que se passa na alma de um homem. Portanto, cada consciência saiba de si mesma diante de Deus, pois para sempre todas as coisas são lícitas, e a sabedoria será sempre saber o que convém.

Artigo 10 – Fica avisado ao mundo que os únicos trajes que vestem bem o homem diante de Deus não são feitos com pano, mas com Sangue; e que os que se vestem com as Roupas do Sangue estão cobertos mesmo quando andam nus.

Parágrafo certo: A única nudez que será castigada será a da presunção daquele que se pensa por si mesmo vestido.
Artigo 11 – Fica para sempre discernido como verdade que nada é belo sem amor, e que o olhar de quem não ama jamais enxergará qualquer beleza em nenhum lugar, nem mesmo no Paraíso ou no fundo do Mar.
Artigo 12 – Está permanentemente decretado o convívio entre todos os seres, por isso, nada é feio, nem mesmo fazer amizades com gorilas ou chamar de minha amiga a sucuri dos igapós. Até a “comigo ninguém pode” está liberta para ser somente a bela planta que é.

Parágrafo da vida: Uma única coisa está para sempre proibida: tentar ser quem não se é.

Artigo 13 – Fica ordenado que nunca mais se oferecerá nenhuma Graça em troca de nada, e que o dinheiro perderá qualquer importância nos cultos do homem. Os gasofilácios se transformarão em baús de boas recordações; e todo dinheiro em circulação será passado com tanta leveza e bondade que a mão esquerda não ficará sabendo o que a direita fez com ele.

Artigo 14 – Fica estabelecido que todo aquele que mentir em nome de Deus vomitará suas próprias mentiras, e delas se alimentará como o camelo, até que decida apenas glorificar a Deus com a verdade do coração.

Artigo 15 – Nunca mais ninguém usará a frase “Deus pensa”, pois, de uma vez e para sempre, está estabelecido que o homem não sabe o que Deus pensa.

Artigo 16 – Estabelecido está que a Palavra de Deus não pode ser nem comprada e nem vendida, pois cada um aprenderá que a Palavra é livre como o Vento e poderosa como o Mar.

Artigo 17 – Permite-se para sempre que onde quer que dois ou três invoquem o Nome em harmonia, nesse lugar nasça uma Catedral, mesmo que esteja coberta pelas folhas de um bananal.

Artigo 18 – Fica proibido o uso do Nome de Jesus por qualquer homem que o faça para exercer poder sobre seu próximo; e que melhor que a insinceridade é o silencio. Daqui para frente nenhum homem dirá “o Senhor me falou para dizer isto a ti”, pois, Deus mesmo falará à consciência de cada um. Todos os homens e mulheres que crêem serão iguais, e ninguém jamais demandará do próximo submissão, mas apenas reconhecerá o seu direito de livremente ser e amar.

Artigo 19 – Fica permitido o delírio dos profetas e todas as utopias estão agora instituídas como a mais pura realidade.

Artigo 20 – Amém!


(Caio e tantos quantos creiam que uma revolução não precisa ser sem poesia.)

Seguidores